Curso e vídeo grátis sobre adestramento canino

Não se pode forçar qualquer animal a fazer o que este não quer.

O objetivo principal é fazer do cão uma companhia fiel, deixá-lo escolher “Andar Junto”.

Devemos recompensá-lo por andar junto. Podemos fazê-lo de muitas formas:

O encanto pessoal

Para usar o “encanto pessoal” temos que ser, para o cão, encantadores. É estabelecido entre o dono e o cachorro, principalmente quando este é ainda filhote, uma relação de comando, sendo tanto através de gesto mas primordialmente através do comando falado.

Sendo assim, nossa voz tem um poder mágico de encantamento.
Normalmente os animais assimilam conhecimentos facilmente, pelo fato de a voz, representar comumente nosso estado de espírito. Através dela o cão detecta nossos ânimos, percebe se estamos alegres, zangados, se vamos passear com ele, se ganhará algo ou não.

A conversa com o animal é fundamental e deve ser o maior prêmio que este recebe. Eles, assim como nós buscam muito amor, carinho e companhia acima de tudo. Há claro, muitas outras maneiras para conquistar a atenção do cão, principalmente quando você não é o dono desse, e ainda não possui muita intimidade com o bicho. Então vamos a elas:

Coisas e ou objetos os quais o agradam ou têm preferência dele. Pode ser um brinquedo – uma bolinha de tênis, de borracha, um bonequinho ou até uma linguiça de pano (de uns 40 cm) dessas usadas em treinamento ofensivo.

Podemos também utilizarmos comidas, como por exemplo pedaços de carne, biscoitos, iogurtes, tudo aquilo que não agride tanto a saúde do animal e que ele adora comer com você.

A atenção do cão é fundamental

No contrário, não será possível o êxito. O que caracteriza totalmente a prática do adestramento é a obtenção da atenção do cão, independente do estágio do ensinamento. Somente com a atenção do animal as explicações e procedimentos pretendidos serão seguidos.

Assim,se ele andar junto, receberá nosso carinho e nossa atenção em enormes elogios. Se não o fizer, você não deverá puni-lo, mas apenas não recompensá-lo.

Toda vez que ele andar junto e se comportar de acordo, ganhará carinho e conversas amistosas, sendo necessário fazer isso em todo o período que ele estiver agindo corretamente.
Importante: nunca deixe a premiação para outra hora, pois muitas vezes o animal não consegue associar o prêmio com o mérito.

Importante: certos exercícios funcionam melhor de modo complementar e/ou contíguos.
Exemplo: quando treinamos a corrida, podemos alternar esta com o andar junto e/ou sentar e/ou deitar. Um clássico nesse aspecto é o par andar junto e sentar. Para fazê-lo sentar, colocamos a mão esquerda sob o queixo do cão e a erguemos gentilmente como se o fizesse nos olhar e, ao mesmo tempo, conversamos com ele ou oferecemos um petisco.

A posição mais confortável para o cão ao fazê-lo é a de sentar e o cão o faz majoritariamente.
Ao final do processo, assim que ele estiver sentado e então tiver feito a parte dele, é hora de fazermos a nossa e recompensá-lo com muito ânimo.

Aos poucos diminuiremos essa ajuda, na medida em que formos percebendo que ele começa a sentar-se para receber o elogio ou o prêmio e. surpreendentemente e gratificante, o cão após
isso se mostrará disposto a continuar, a fazer mais e mais, sendo então vital a associação, e aí você pode colocá-lo a andar um pouco ou qualquer outra brincadeira que seja ou não parte integrante do aprendizado.

Adestramento é tão estimulante e surpreendente , que algo bastante discutido e sentido pelos veterinários, adestradores e criadores de animais, é a percepção aguçada dos sensores e sentidos, entre outras inúmeras qualidades.

Então, pode parecer até bobagem, mas se você mentalizar: …como é, não vai sentar? …o que você está esperando para sentar? … senta vamos! Poderá ser surpreendido com o animal.
Uma prova disso são as diversas reações dos bichos quando, por exemplo, você está em casa e pensa em sair com seu cão, como que por encanto, ele chega antes no lugar onde você guarda a
coleira, ou então, ao ouvir o barulho de um pote de ração, o sistema nervoso involuntário do parassimpático o faz salivar.

Seu cão fará muitas vezes exatamente o que você espera dele. Se achar que ele não vai fazer…
ele não o fará. Dessa forma, há uma indução mental, e o cão responde ao erro por estarmos sempre pensando negativamente: … eu acho que ele não vai conseguir….
Espantosamente, se começarmos a confiar mais em nosso cão ele corresponderá imediatamente. Então, a confiança é um valor fundamental.

Uma parte delicada do treinamento e aparentemente vista pelos leigos por simples e/ou bobagem é a de ensinar o cão a deitar após um pedido.

Isso ocorre porque a posição “deitado” é bastante confortável mas também não muito adequada na defesa para o cão, sendo uma posição relativamente expressada pela vulnerabilidade. Dessa
forma é, praticamente, impossível obrigar um cão a deitar-se sem utilizar a violência.
Entretanto, se o cão for forçado a deitar mediante violência, ele ficará desconfiado para o resto do treinamento e débil para o adestramento.

A natureza, e os animais inclusive nós humanos, seguimos e respeitamos tanto racionalmente quanto instintivamente uma das leis qualificadas pelo homem mas não própria deste, desenvolvida pelos gigantes da física ocidental que é a lei da ação e reação.

Sendo assim, se empurrarmos um animal para a frente ele nos impusera a mesma força para trás, e se empurrarmos para trás ele nos forçará para a frente… se forçá-lo para baixo ele fará força para se levantar. É claro que a lei de ação e reação já estaria presente independente da vontade do cão, mas serve para demonstrar que o cão teimará sempre. Então, é necessário ensiná-lo a deitar, recompensando–o em seguida.

Existem várias formas de se ensinar um cão a deitar , basta criar um canal de comunicação com o cão. As mais comuns e eficazes são aquelas relacionadas com pedidos de voz. Há aqueles que trazem palavras de outros idiomas, já que acreditam ser inconsciente do bicho o principal aceptor e tradutor da informação, sendo então certo que a raça lê mais facilmente o idioma falado na região de origem.

Este curso foi encontrado na internet sem informações sobre o autor e/ou   de procedência, nosso objetivo é aqui é puramente compartilhar as   informações com as pessoas que tenham interesse no assunto. Não sou o   responsável pelas informações contidas nele, ao final do curso você pode aprender mais sobre o adestramento canino assistindo ao vídeo com dicas de um adestrador profissional.

Página 2

Compartilhe Também:

Deixe seu comentário