Pensamentos negativos podem bloquear o orgasmo feminino

Um estudo que será publicado na próxima edição da revista Sexologies revelou que as dificuldades que muitas mulheres enfrentam para atingir o orgasmo, estão na verdade relacionadas relacionadas com a ausência de pensamentos eróticos durante as relações sexuais.

“Não há una maneira fácil de evitar os pensamentos negativos ou a distração, mas se você passa a saber que o problema existe, fica mais fácil lidar com ele”, explica a pesquisadora que chefiou o estudo, Dr ª. Marta Xavier Cuntim.

Aproximadamente uma de cada quatro mulheres sente dificuldades para alcançar o orgasmo, a incapacidade para experimentar o nível máximo de excitação é a segunda queixa sexual feminina mas frequente, perdendo apenas para a falta de desejo sexual, explica a psicóloga portuguesa.

Participaram do estudo191 mulheres sexualmente ativas, com idades entre 18 a 59 anos, elas foram questionadas sobre os tipos de pensamentos que experimentaram enquanto mantem relações sexuais. Houve seis tipos de pensamentos potencialmente problemáticos: lembranças de abusos, preocupação com a performasse sexual, falta de afeto com o parceiro, sentimentos de passividade e controle, pensamentos desprovidos de carácter erótico e relacionados a defeitos no corpo. Todos, com exceção dos pensamentos negativos sobre a imagem corporal, estão associados com o bloqueio para se chegar ao orgasmo.

A pesquisa não conseguiu estabelecer ao certo como funciona o ciclo ente pesamentos negativos e a dificuldade das mulheres em atingir o clímax sexual. No entanto, certas vulnerabilidades psicológicas podem levar a pensamentos negativos, explica a doutora.

As mulheres com disfunção sexual muitas vezes levam uma Bagagem mental negativa, como pensar que o sexo é algo ruim, sujo ou proibido ou que seu corpo não é capaz de despertar o desejo masculino. Estes pensamentos aumentam o risco dessas mulheres enfrentarem dificuldades sexuais.

Dr ª. Marta e seus colegas estão testando o uma novo tratamento chamada terapia cognitivo-comportamental sobre a disfunção sexual em homens e mulheres.
“Essa terapia pretende mudar a maneira como pensamos sobre as situações sexual e procura ajudar as pessoas a descartar seus pensamentos negativos”, diz o especialista.
“Em última análise, os resultados do estudo podem ajudar a desenvolver novas estratégias de tratamento para distúrbios do orgasmo”, aponta Dr ª. Marta.

O resultado do estudo confirma o velho ditado que diz: “o maior órgão sexual feminino é o cérebro”. 🙂

[via LiveScience]

Imagem: shutterstock

Compartilhe Também:

Comentários(2)

Deixe seu comentário