Compartilhe com um Amigo:

corpo humano

Seu corpo é extremamente incrível. A todo momento, você tem muitos processos biológicos em funcionamento, como a digestão, a respiração e o metabolismo, e que lutam contra a invasão de bactérias. As regiões e os sistemas diferentes dentro do corpo funcionam juntos para criarem um estado de equilíbrio – a quantidade certa de açúcar no sangue, a quantidade suficiente de eletrólitos – de modo a mantê-lo em funcionamento com desempenho máximo.

Mas você já se perguntou como seu corpo chegou ao que ele é hoje? Por que existem órgãos que você tem dois, e outros que tem apenas um? Tome como exemplos o coração e os pulmões – por que você tem dois pulmões, mas apenas um coração? Não seria melhor se tivesse dois corações?

Seus órgãos vitais – como os pulmões, coração, pâncreas, cérebro e fígado – são exatamente isso: vitais. Não apenas à vida, eles também são muito importantes um ao outro. Os pulmões, por exemplo, inspiram oxigênio e expiram gás carbônico (uma das impurezas de seu corpo). Os pulmões transferem oxigênio para o sangue, que é levado para o coração para ser distribuído ao resto do corpo. O sangue conduz o gás carbônico residual de volta aos pulmões, onde é absorvido e exalado. É um belo sistema. Mas como ele surgiu?

É um sistema muito antigo, diz a antropóloga Susan Cachel, da Universidade de Rutgers, EUA – e não é exclusivo aos seres humanos. Os sistemas de órgãos que encontramos na maioria dos animais contêm um coração e dois pulmões. Isto é, com exceção das minhocas e dos cafalópodes – classe de invertebrados que inclui o polvo e a lula. As minhocas possuem cinco estruturas semelhantes ao coração. Os cafalópodes têm três corações (dois para enviar sangue às guelras, e um para enviar sangue ao resto do corpo) e nenhum pulmão.

Cachel afirma que o sistema de um coração/dois pulmões começou a surgir cerca de 300 milhões de anos atrás, quando os animais primeiro saíram do mar para a terra para escaparem dos predadores e encontrarem novas fontes de alimentos. A partir desse momento, tornou-se regra. Mas por que não continuou a mudar?

Nesse caso, a navalha de Occam esclarece – a explicação mais simples normalmente é a certa. No final das contas, a maioria dos animais desenvolveu um sistema de dois pulmões e um coração (junto com o resto de seus órgãos), pois era o que precisavam para sobreviver e ter sucesso na Terra. As pessoas não desenvolviam dois corações nem oito pernas ou asas, pois não precisavam disso tudo para sobreviver. E nós desenvolvemos dois pulmões porque precisamos deles.

Filogenia é o estudo da forma como os primeiros filamentos de RNA (ácido ribonucléico), no caldo primordial da Terra, foram desenvolvidos nos homens e em outros animais. Como esses animais evoluíram para tal espécie divergente, como pássaros, insetos e humanos, os sistemas de órgãos nesses animais permaneceram semelhantes entre si. Ainda temos estômagos para digerir o alimento, pulmões para respirar e rins para filtrar as impurezas. Tudo isso indica que as espécies – incluindo os seres humanos – foram formadas e moldadas especificamente para viverem na Terra.

Então, isso significa que nosso sistema de órgãos internos é perfeito? Sabemos, através do que estudamos sobre doenças, que deixar de ter dois pulmões para ter um é prejudicial a nossa saúde, mas e quanto a acrescentar um segundo coração? Isso não nos deixaria mais aptos para sobreviver? Leia a próxima página para saber como seria ter dois corações.

Deixe o seu comentário:

Fechar Menu