Engenheiro cearense desenvolve carro quadriflex

O engenheiro, pesquisador e cientista cearense Fernando Ximenes da empresa Gram-Eollic é o responsável pelo desenvolvimento de um veiculo que além do álcool e gasolina, funciona também utilizando as energias eólica e solar.

O projeto genuinamente cearense, levou cerca de 8 meses para ficar pronto, mas foram necessários três anos de pesquisa até a transformação final.

Novo Uno sofreu modificações no teto, que recebeu células fotovoltaicas, e no para-choque com turbinas eólicas.
O Projeto utiliza duas hélices adaptadas na estrutura do veículo, que capta o vento e o transforma em energia para alimentar a bateria e demais consumíveis. No mercado automobilístico ideias ligadas a projetos com utilização de fontes renováveis de energia estão sempre aparecendo. O cearense Fernando Ximenes, engenheiro mecânico, pesquisador e, por que não, cientista criou um modelo quadriflex de veículo e, aqui vale ressaltar, bem singular. Um sistema de energia solar com células fotovoltaicas foi introduzido sob o teto do Novo Uno (modelo escolhido para o projeto), e, discretamente fixadas na parte interior do para-choque, duas turbinas eólicas. Para completar o time: álcool e gasolina. O projeto chama a atenção. Com as mudanças, o carro perdeu o alternador e ganhou seis cavalos de potência, muito bem-vindos para um motor 1.0. Em um rápido test drive notamos respostas melhores nas aceleradas e arrancadas. “Com mais torque o motorista terá um motor que responderá melhor sem ter de acelerar em excesso. Mais desempenho e menos emissão de CO2 na atmosfera”, pontua. O objetivo do engenheiro é chegar à versão 100% autossustentável. No carro adapto por Ximenes, a emissão de poluentes reduziu 40% e o consumo melhorou. Agora, o Novo Uno chega aos 15,8 km/litro. A intenção é que, em um futuro não muito distante, a energia solar ou eólica abasteçam o veículo sem a necessidade dos demais combustíveis.

Como funciona

O sistema do carro não levou grandes mudanças visualmente falando. Ao conferir o motor, nota-se uma bateria de 12V com prata e a ausência do alternador. No teto, células fotovoltaicas são protegidas por seis camadas de filme anti-impacto altamente resistentes. No para-choque dianteiro, as hélices foram fixadas onde estariam as lanternas de neblina (farol de milha). “Cada sistema é capaz de recarregar independentemente a bateria. E o sistema eólico tem autonomia individual. Toda a explosão inicial no motor é acionada por um deles”, explica Fernando Ximenes. A energia eólica e a solar alimentam a bateria que faz a distribuição direta aos consumíveis (ar condicionado, vidros elétricos, sistema de ignição etc).

Preço e exibição

Ainda em fase experimental, o engenheiro não confirma preço do sistema, mas estima em 20% do valor do carro. “Cada caso demandará um projeto específico e o valor altera”, diz. O Novo Uno, da Gram Eollic, empresa de Ximenes, representará o Ceará na Ecoenergy – Feira Internacional de Tecnologias Limpas e Renováveis para Geração de Energia e Eficiência Energética. O evento será realizado entre os dias 15 e 17 no Centro de Exposição Imigrantes, em São Paulo.

Carros ecológicos

A expectativa é que carros ecológicos circulem pelas vias brasileiras até meados de 2015. Algumas tecnologias já estão em funcionando em modelos mais sofisticados. A popularização é o grande desafio para a indústria automobilística. O Volt, da GM, é um dos que podem pintar no Brasil futuramente. A Audi tem projeto de trazer, em 2013, um superesportivo elétrico, o E-tron. O S400 Hybrid, da Mercedes, já está à venda por R$ 463 mil e o pequeno Smart também já recebeu sistemas mais ecológicos no Brasil.

Fonte: Rodrigo Coimbra / Diário do Nordeste / Automóveis via Ceara Autos

Seja o primeiro a comentar:

Deixe o seu comentário: