Compartilhe com um Amigo:

o-que-acontece-quando-um-raio-cai-no-mar
Em grandes tempestades os perigos são inúmeros, o principal deles é o raio, uma descarga elétrica que pode chegar a incríveis 200 mil volts, o que poderia transformar uma pessoa, se acertada em cheio, praticamente em carvão, pois os 30 mil °C gerados pela eletricidade não é uma temperatura muito agradável.
Cristais de gelo, água e granizo se reúnem em nuvens entre 2 a 10 km de altura sobre uma temperatura que varia de 0 a -50°C, durante uma tempestade eles são jogados de um lado para o outro, criando cargas positivas e negativas entre si.
Gotas de chuva e granizo criam maior carga negativa e se concentram na base da nuvem, enquanto os cristais de gelo ficam positivos e encontram o topo da nuvem. Esse processo se repete até que uma carga de cerca de 1000GW (gigawatts) se concentre no interior da nuvem, para você ter uma base de comparação, as redes de alta tensão da rua da sua casa tem cerca de 10000W (watts).
Na terra vários fenômenos começam a agir criando cargas positivas no ar, e quando essas cargas se encontram com as negativas da base da nuvem toda aquela tensão de seu interior é descarregado em forma de faíscas que chamamos de relâmpago.

Raios, relâmpagos e trovões!

Muitas pessoas costumam confundir o significado de um raio, um relâmpago ou um trovão, por isso vamos explicar separadamente o que são cada um deles.
O raio é nada mais nada menos que uma descarga elétrica que pode ocorrer entre nuvens no céu ou também pode partir tanto do céu para o solo quanto do solo para o céu.
O relâmpago é o raio visível, ou seja, o raio é o clarão de luz que vemos quando um raio é descarregado.
O trovão é o estrondo produzido no momento de uma descarga, o barulho pode ser ouvido porque o raio atravessa o ar a uma velocidade supersônica, ou seja, a trovoada é ouvida no exato momento que a barreira do som é quebrada pelo raio.

A eletricidade e o condutor em grande quantidade

Como todos sabemos a água é um dos maiores condutores de eletricidade que existem, quando o sal está presente nela, como no mar, essa condutividade aumenta ainda mais, então, quando um raio cai no mar é possível uma pessoa ser eletrocutada na praia?
Tudo depende da distancia que a pessoa estiver do raio e também da intensidade dele, vamos pegar como referencia um raio que atinge a água a 50 mil volts, a intensidade do raio diminui em função da distância que ele percorre, segundo o inverso do quadrado da distancia, ou seja, quando essa distancia dobrar, a intensidade terá diminuído a 1/4, quando triplicar será 1/9 da inicial até se dissipar.
A até 50 metros de distância do raio que estamos estudando o banhista sofreria uma morte quase certa por um ataque cardíaco fulminante.
De 50 a 85 metros queimaduras graves, asfixia e até um possível ataque cardíaco poderiam acontecer, porém ainda sobrariam chances da pessoa sobreviver.
Entre 85m e 125m ainda seria possível receber uma descarga, porém ela estaria longe de matar, pois dura cerca de um milésimo de segundo. Somente uma descarga continua (como a de um chuveiro) seria capaz de matar alguém com a intensidade tão reduzida.
Acima de 125m seria muito difícil sofrer qualquer dano, no máximo uma formigamento pelo corpo, que também não duraria mais que alguns segundos.
Para evitar qualquer acidente recomendamos que durante uma tempestade você procure abrigo e não fique perto da água do mar, de baixo de arvores ou redes de alta tensão.

Deixe o seu comentário:

Fechar Menu