Compartilhe com um Amigo:

 bug do milênio

Geralmente quando vamos representar o ano em que estamos o abreviamos, como por exemplo o ano em que esta matéria esta sendo escrita, 2014, que usando tal abreviatura seria o ano 14.

O mesmo sistema era utilizado para abreviar os anos do século passado, como 1996 que seria o ano 96. Usar essa abreviatura parecia algo totalmente normal e não problemático, a não ser que isso pudesse causar um bug que deixaria todos os aparelhos eletrônicos do mundo malucos.

Bug no mundo da informática pode ser interpretado como um erro ou uma falha no sistema que possa gerar resultados absurdos a partir de alguma lógica que tenha sido pré-moldada de forma errada no momento de sua programação.

Um exemplo que podemos citar e que acontece com frequência são os bugs em videogames, onde, por exemplo, o jogador adquire a estranha capacidade de atravessar paredes ou atravessar o chão do cenário.

Nem sempre economizar é a melhor saída!

No bug do milênio, aparelhos eletrônicos que foram programados na linguagem COBOL e semelhantes (a grande maioria produzidos antes de 93, quando foi previsto que o problema aconteceria), que eram linguagens de programação encontradas mais em sistemas antigos, mas que ainda circulavam, armazenavam apenas os dois últimos dígitos do ano como informação, e os dois primeiros números (milhar e centena, no caso 19) já ficavam subentendidos anteriormente.

Esse padrão foi adotado para economizar bytes, que no caso seriam oito (dois para o dia, dois para o mês e quatro para o ano) e passaram a ser somente seis bytes (já que dois eram subtraídos ao ignorar o 19), uma explicação aceitável para que mais bytes fossem conservados em uma época onde um disco tinha incríveis 180kb de espaço.

Tendo em vista que o 19 já era subentendido, o que aconteceria quando não fosse houvessem mais dezenas e unidades para o completar? Logicamente o contador passaria a valer zero e sua contagem começaria novamente, tornando o ano de 1900 o ano novo posterior a 1999.

No vídeo abaixo você pode ver o que as pessoas achavam que seria o bug do milênio.

Esse problema acabou gerando um pandemônio mundial quando as pessoas começaram a receber informações precipitadas de que suas contas acabariam recebendo uma contagem de juros por atraso de 100 anos, o que poderia custar milhões a mais na conta de energia elétrica, aviões sofreriam falhas na comunicação e poderiam acabar caindo, conflitos no sistema de distribuição de energia elétrica poderia causar um apagão mundial e outras calamidades totalmente sem noção.

O principal motivo da preocupação

Quem se deu bem foram as empresas de informática, que venderam seus novos produtos como se fosse água alegando que seus softwares usavam uma programação mais avançada e prevenida contra o bug, quando uma simples correção em seu código fonte já seria o suficiente. No final o bug não apresentava perigo nenhum, a unica diferença é que computadores antigos estariam informando o ano errado no sistema.

A preocupação da população teve grande influencia vinda da mídia, que resolveu mostrar alguns problemas que poderiam acontecer, porém com uma chance mínima de se concretizarem, por isso é muito importante procurar informações com especialistas quando algo do gênero acontecer, e não confiar em alguns leigos que usam o seu poder de alcance pra causar quase que um apocalipse mundial.

Deixe o seu comentário:

Fechar Menu